Pesquisar

Login

Registre-se ou faça o login para receber nossos informativos.



A Terapia de Regressão
Artigos on line - Artigos
Escrito por Juliana Bueno   

Médico e terapeuta holístico, Dr. Mauro Kwitko iniciou sua carreira em 1971, recém-formado pela Faculdade de Medicina do Rio Grande do Sul. É autor dos livros Terapia de Regressão: perguntas e respostas, Como aproveitar a sua encarnação, A Terapia da Reforma Íntima, entre outros...

A tradicional medicina alopática não o interessou por muito tempo e logo ele desenvolveu estudos e pesquisas na Homeopatia e na medicação com florais. Ainda são muitas as dúvidas e contradições que envolvem os diagnósticos e tratamentos dos chamados transtornos psicoemocionais. Dr. Kwitko desenvolve com seus pacientes um tratamento metafísico e holístico para entender e tratar estas doenças. Nesta entrevista, ele explica os fundamentos da chamada Psicoterapia Reencarnacionista.

Como surgiu o interesse em tratar as doenças, especialmente as da mente, com a chamada Terapia de Vidas Passadas?

Dr. Mauro Kwitko – Eu já usava, há tempos, remédios que curassem os desequilíbrios mentais e espirituais, tratando, portanto, a energia. E isso é possível com a medicina homeopática e florais. Mas, muito mais do que isso, a minha busca de conhecimento espiritual e meu desenvolvimento mediúnico acabaram me levando para uma terapia mais profunda, apoiada em outras encarnações. Eu mesmo passei por este tratamento. Atualmente, mais de seis mil pacientes foram tratados com essas técnicas e interpretações, com um enorme número de curas ou melhoras sensíveis. Através da intuição e de toda a experiência com os pacientes, consegui criar a Psicoterapia Reencarnacionista, que tem algumas diferenças em relação às outras escolas da TVP.

Quais seriam as diferenças fundamentais? E também, como você vem divulgando este trabalho?

Como todo tratamento apoiado nas nossas “outras vidas”, outras encarnações, a Psicoterapia Reencarnacionista vai ajudar o paciente a encontrar as situações vivenciadas no passado que atualmente lhe trazem culpas, medos e um grande número de emoções desequilibradas e prejudiciais. No entanto, no nosso trabalho, estas vivências de outras vidas (visualizadas ou intuídas pelo paciente) são trazidas pelos mentores espirituais. Tanto o mentor do paciente, quanto o mentor do terapeuta conduzem todo o tratamento, e isto é simplesmente fundamental. E quanto a sua outra pergunta, posso afirmar que a Psicoterapia Reencarnacionista já é muito conhecida e aplicada por médicos, psicólogos e terapeutas que fizeram o curso. Eu desenvolvo este curso em São Paulo, Rio de Janeiro e outras cidades do Brasil. Em cada uma destas cidades existem os monitores, alunos que fizeram o curso completo e hoje trabalham com esta técnica. Além disso, os monitores também participam dos novos cursos, auxiliando os novatos.

Nos livros e apostilas do curso é muito mencionada a importância da chamada reforma íntima. Como você explica sua relação com o tratamento na Psicoterapia Reencarnacionista?

Se a reforma íntima não acontecer, como uma tentativa disciplinada e consciente, a cura também não se concretizará e as recaídas poderão surgir, o que é muito comum, especialmente nas chamadas doenças e transtornos mentais. É fundamental que nossas fragilidades emocionais, características prejudiciais da nossa personalidade, sejam conscientizadas, e na medida do possível, superadas. E isto se aplica não apenas aos pacientes que procuram pela Psicoterapia Reencarnacionista, como (e principalmente) aos médicos ou terapeutas que a desenvolvem em consultório.

No livro Doutor, eu ouço vozes, a mediunidade é apontada como quase sempre a responsável pelos desequilíbrios mentais. Que tipo de tratamento é indicado nestes casos e quais seriam os remédios ideais, já que você não aprova totalmente os psicotrópicos da medicina tradicional-alopática?

Na verdade, quando um paciente com este tipo de sintoma me procura (ouvindo vozes, tendo visões...) a primeira medida, quase sempre, é encaminhá-lo para um centro espírita sério e bem preparado para auxiliá-lo. O tratamento, neste caso, é gratuito, e assim que ele receber o auxílio, a assistência espiritual, orientando e disciplinando melhor a sua mediunidade, podemos fazer a terapia de vidas passadas, assim como receitar um remédio floral e homeopático. Nestes casos, assim como em todos os outros, a reforma íntima continua sendo fundamental. Com esta atitude interior, voltada para aprimorar e melhorar a si mesmo, aproveitando bastante o aprendizado de mais uma vida, vamos viver em sintonia apenas com os bons espíritos, afastando os perturbadores, sofredores, resolvendo até mesmo os casos de obsessão.

De fato, a importância da reforma íntima fica bastante clara. No entanto, não lhe parece que isto é realmente muito difícil e a maioria das pessoas desistem?

Isto é verdade, e o curso vai auxiliar bastante neste sentido. Os alunos comentam muito sobre tudo aquilo que já conseguiram melhorar em suas próprias vidas, comportamento, atitudes. Nas minhas apostilas, explico bastante sobre as “armadilhas e os gatilhos”. São assim chamadas as situações da vida atual que nos impulsionam para a busca do aprendizado, quase sempre através do sofrimento ou enfrentando e resolvendo a nossa ignorância espiritual. Neste sentido, a Psicoterapia Reencarnacionista pode ajudar bastante, porque o mentor espiritual daquela pessoa vai mostrar para ela exatamente aquela vida passada que mais se identifica com seus problemas atuais, mágoas, culpas e frustrações. Aos poucos, ela conseguirá entender as lições do passado e se esforçará, de várias maneiras, para não repetir os erros, os enganos, escolhas erradas e etc.

Ao longo do curso, e mesmo durante o tratamento, quase sempre percebemos o quanto algumas mudanças pessoais são necessárias e o quanto conquistá-las pode mudar, para melhor, a nossa vida aqui e agora.

Entrevista publicada na Revista Cristã de Espiritismo, ed. 57.
Ao reproduzir o texto, é obrigatório citar o autor e a fonte.

 

Faça uma visita!

Caminho Espiritual 42

Carrinho

VirtueMart
O seu Carrinho de compras encontra-se vazio no momento.

Para ouvir